Carregando...

América Biomédica © 2017 - Todos os direitos reservados

Exames toxicológicos – para que servem?

Exames toxicológicos – para que servem?

Exames toxicológicos – para que servem?

Prevenção/ Inibição – desestimular o consumo de drogas

Controle/ Diagnóstico – identificar o usuário para ações de apoio

Recuperação/Tratamento


Porque as empresas fazem exames toxicológicos em seus funcionários?


Num estudo de 2006, a SAMHSA relatou que 74,9% dos usuários de drogas ilícitas, com mais de 18 anos, estavam trabalhando em empresas. A testagem de drogas é um método de prevenção e dissuasão e um componente essencial de um programa de prevenção do uso destas substâncias. Frequentemente, empresas que não têm um programa de promoção de um ambiente de trabalho livre de drogas, têm custos mais altos com o departamento de saúde, mais altos índices de acidentes de trabalho, e outros resultados negativos relacionados ou decorrentes do uso de drogas por parte dos seus funcionários.

Políticas deste tipo são adotadas pelas empresas por vários motivos, sendo o principal e mais importante deles a prevenção do abuso de substâncias psicoativas.

Um programa de controle do uso de drogas pode levar funcionários a procurar de forma espontânea ajuda e tratamento, impedi-los de usar álcool e outras drogas e ainda de ir trabalhar sem condições de exercer as suas funções de forma adequada. Leva à criação de um ambiente de trabalho mais seguro e positivo, com menor rotatividade, maior lealdade, e altos padrões de qualidade.


O que é que um programa de testagem deve incluir?


Um programa de testagem de drogas no ambiente de trabalho tem uma política clara de não permissão do uso de substâncias psicoativas. Educa os funcionários relativamente ao programa; sobre a razão pela qual o uso de drogas poder ser prejudicial e não apenas para o próprio funcionário, mas também para quem está próximo; como o uso destas substâncias traz custos para a organização/empresa, bem como as consequências para o indivíduo a quem for detectado um resultado positivo.

Um programa eficiente contempla o treinamento de supervisores do programa, exames toxicológicos, e assistência ao colaborador. Ter uma política escrita ajuda empregadores e empregados a se concentrarem em detalhes importantes.


Motivando os funcionários e providenciando assistência:


Faz pouco sentido ter uma política de controle do uso de drogas, ou de ambiente de trabalho livre de drogas, sem ter, ao mesmo tempo, uma ação educacional relativamente ao tema.

Há benefícios em ter alguém, da área de saúde, falando com a sua equipe sobre os perigos do abuso de álcool e drogas, e em tornar a sua presença obrigatória. Deve ser realizado em vários dias, pois a participação de todos em determinado dia é improvável.

Deve ser feita literatura breve e acessível para os colaboradores sobre o abuso de drogas, com apostilas, panfletos e até mesmo emails.


O que não deve ser feito:


Na implantação de um programa de controle do uso de drogas (ou programa de ambiente de trabalho livre de drogas) há alguns pontos que devem ser assegurados:

- não forçar a implantação de um programa de forma inconsistente. A tentativa de implantação de um programa de forma inconsistente não só é injusta como poderá levar um funcionário a tornar-se fonte de litígios.

- não divulgar os resultados dos testes. Estes devem ser tratados de forma confidencial e sigilosa, e apenas comunicados à pessoa ou pessoas responsáveis pelo processo.

- não tomar providências quando apenas um resultado positivo inicial aparecer. Deve ser feita uma confirmação e só depois tomadas providências adequadas.

- não enviar urina para confirmação em laboratórios que não sejam devidamente acreditados.

- não deve ser feita confrontação, a um suspeito ou usuário, sozinho. Pode ser perigoso. Além disso, na eventualidade de um processo jurídico, ajuda ter uma testemunha do lado.


Quem é testado e quem realiza o teste?


Pelo fato de os exames toxicológicos terem um custo, e embora os benefícios superem de longe esses custos, alguns empregadores decidem testar apenas os funcionários que têm funções/posições de risco.

Ao realizar exames em todos os funcionários, não obstantes as diferenças de salários e responsabilidades, é passada a mensagem de que todos estão vinculados a um determinado código de conduta.

Normalmente pessoal ligado ao departamento de saúde (por exemplo um/a enfermeiro/a) minimamente treinado realiza os exames com teste rápido no local de forma muito fácil.


Quando serão os testes realizados?


Randômicos/aleatórios: os testes mais eficazes para a detecção e dissuasão do uso de drogas são os aleatórios. Dito de forma simples, se um funcionário é tentado a usar drogas mas souber que pode ser testado a qualquer momento, a tentação é reduzida. Significa testar um grupo de funcionários selecionado aleatoriamente e em altura imprevisível.

Admissional: são, como os anteriores, testes muito importantes porque colocam uma barreira na entrada de novos usuários/dependentes.

Pós-acidente: aqui o teste rápido de triagem no local pode ser decisivo.

Motivado (por suspeita): quando indicadores assim o sugerem;

Pós-tratamento: avaliação da abstinência

O que deve ser feito para assegurar a legitimidade do processo?

Cadeia de custódia: Cada vez que as evidências passarem de uma pessoa para outra ou de um tipo de mídia para outro, a transação deve ser registrada.